Um belo dia, ele chegou pra mim e disse: “mamãe, pode tirar aquele negócio da minha cama, não preciso mais dele! Já tô grande!”. “Aquele negócio” era uma grade de proteção, ele tinha cinco anos e ainda se mexia muito durante a noite. Sugeri que colocássemos um colchão ao lado da cama, pro caso dele cair, mas meu filho estava decidido, seguro e não aceitou. Também nunca caiu…

Screenshot_2015-08-16-11-51-05-1

Foi assim também que começou a comer sozinho, usar cueca, se vestir, tomar banho depois de fazer cocô. Algumas coisas mais cedo que a maioria dos bebês ou crianças, outras mais tarde. Tudo no seu tempo!

É comum compararmos o desenvolvimento das crianças, fazemos isso constantemente e até sem perceber. mesmo sabendo que pode ser prejudicial.  Comparações aumentam nossa ansiedade e preocupação com os filhos  e ao notarem isso (nossos pequenos sentem tudo!)  eles podem passar a acreditar que estão fazendo algo errado (ou são melhores que os outros, caso escutem que “já fazem isso e fulano não faz”).

Screenshot_2015-08-16-11-50-27-1-1

Claro que nos preocupamos que algo esteja errado, caso demorem a adquirir alguma habilidade comum às crianças de sua idade, como também nos enchemos de orgulho com cada conquista dos pequenos! Queremos compartilhar com nossos amigos do facebook, filmamos tudo para que nossos seguidores do instagram vejam, não há mal nisso, se houver equilíbrio. Mas o que nos revela a hora certa para incentivar nossos filhos a darem um novo passo? Como saber o momento e a melhor maneira de estimulá-los a aprender algo novo?

As respostas às perguntas acima estão dentro de cada um de nós, ou melhor, entre nós e nossos filhos, na intimidade que temos com eles, no vínculo estabelecido, na atenção a qual lhes damos! Cabe a cada pai e mãe, perceber quando o bebê ou criança está pronto para começar a fazer algo sozinho e permitir, ajudando no que for preciso!

Screenshot_2015-08-16-11-52-12-1

Muitas vezes estimulamos as crianças exageradamente, ou exigimos que façam algo para o qual não estão prontos! Cada pessoa é única e devemos respeitar essa individualidade, sempre atentos a eventuais “problemas de desenvolvimento”, que obviamente podem ocorrer. Ao mesmo tempo, não podemos subestimar os pequenos, pois são sempre muito mais capazes do que imaginamos e estão prontos a nos surpreender diariamente!

Mãe do criativo Benício e do irresistível Danilo, Laís é, em tempo integral, pirata, dinossauro, assistente de mágico e inventora de brincadeiras. Nas horas vagas, a professora de português é letra, ponto a ponto, objetiva. Fascinada por tudo que envolve educação parental, disciplina positiva e criação com apego, aprende todos os dias, com seus meninos, como ser uma pessoa melhor e divide suas experiências no instagram @desplanos. Cristã.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Comment *