Com apoio de médicos e nutricionistas, a chef lança livro e série em vídeo com as
respostas para as dúvidas mais comuns da fase de introdução alimentar – e, de
quebra, ainda ensina a família a aproveitar este momento para comer com mais
saúde, mais sabor e muito mais prazer.

Para Rita Lobo, a introdução alimentar do bebê pode ser o incentivo que faltava
para melhorar a alimentação da família inteira, de maneira prática e saudável.
No livro Comida de Bebê: uma introdução à comida de verdade, a criadora do
Panelinha mostra que o bebê pode comer de tudo, desde que seja comida de verdade,
não imitação de comida. “É um assunto sério e complexo, que envolve a segurança
do bebê. Mas a solução é mais simples do que o medo de errar faz parecer”, diz Rita.

A consultoria nutricional foi feita pelo Nupens (Núcleo de Estudos Epidemiológicos
em Nutrição e Saúde), grupo da Faculdade de Saúde Pública da
Universidade de São Paulo que é coordenado pelo professor Carlos Monteiro,
médico responsável pela elaboração técnica do Guia Alimentar Para a População
Brasileira, um documento oficial publicado pelo Ministério da Saúde e elogiado
em todo o mundo.

Comida de bebê é papinha, certo?
Papinha é apenas uma textura, não uma refeição. A ideia de um monte de
alimentos misturados numa tigelinha não é considerada a estratégia mais
adequada para a introdução alimentar. Primeiro, porque a papinha misturada
impede a apresentação isolada dos alimentos. Depois, pela praticidade: não faz sentido
preparar dois cardápios diariamente, um para o bebê e outro para os adultos.

Hora de preparar o pê-efinho
A solução para resolver o cardápio do dia a dia está justamente numa instituição da cozinha
brasileira: o pê-efe, o prato feito. Mas aqui, vamos chamar de pê-efinho. Exatamente
como o prato feito que os adultos vão comer, a versão míni dos bebês tem arroz, feijão,
uma carne e pelo menos um legume ou verdura. Só que tudo amassado – ou picadinho.
Ou seja, o que continua valendo da época das papinhas é a textura. Outro ponto positivo
dessa fórmula é que nela estão incluídos quatro dos cinco grupos de alimentos necessá-
rios para compor uma alimentação balenceada: um cereal (ou tubérculo), um feijão (ou
outra leguminosa), uma carne (ou ovo) e pelo menos um legume ou verdura. A fruta vai
ser a sobremesa – e também os lanchinhos.

Mão na massa!
O livro explica detalhadamente como fazer a introdução alimentar, mês a mês – dos 6 aos
12, quando o bebê passa a comer igual ao resto da família. São mais de 70 receitas! Tudo
explicado em linguagem simples, com muitas dicas e orientações passo a passo, no estilo
que transformou o Panelinha em referência culinária no País e fez de Rita Lobo a porta-voz
da alimentação saudável de verdade. A série em vídeo complementa o conteúdo do
livro e ainda traz entrevistas com a equipe do Nupens.

Formada em Nutrição, divide o tempo de trabalho entre a clínica, alimentação escolar e fotografia! É mãe de um super herói, blogueira desde a adolescência, meio nerd, adora música, moda, séries e filmes.

1Pingbacks & Trackbacks on Rita Lobo apresenta novo livro sobre alimentação do bebê

  1. […] Para Rita Lobo, a introdução alimentar do bebê pode ser o incentivo que faltava para melhorar a alimentação da família inteira, de maneira prática e saudável. No livro Comida de Bebê: uma introdução à comida de verdade, a criadora do Panelinha mostra que o bebê pode comer de tudo, desde que seja comida de verdade, não imitação de … Ver artigo completo no Blog […]

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Comment *