A Revista crescer vem fazendo posts com dicas e receitas em uma série de reportagens sobre como cinco famílias, uma de cada região do Brasil, aproveitam os alimentos típicos para preparar a papinha do bebê:

Aécio comendo papinha de ameixa

“A primeira papinha você nunca esquece – quem não ficou com muita expectativa e ansiedade para ver o filho comer? Você está com aquele sorriso no rosto mas, quando dá a primera colherada, provavelmente, o bebê responde com uma careta. Será que ele não gostou? O estranhamento é comum – para o seu bebê, além da comida, a colher é uma novidade. Mas essa careta não vai se repetir nos próximos dias. Ao contrário. Você vai ouvir aqueles deliciosos gritinhos de quem quer comer logo, uma urgência sem fim. “Esse primeiro momento, da papa, é o que determina a relação que a criança vai ter com a comida para o resto da vida”, afirma Naylor Oliveira, pediatra e nutrólogo. Esse é um dos maiores desejos de CRESCER: que seu filho cresça feliz e tenha uma alimentação saudável e balanceada. Por isso, neste mês começamos um novo projeto, Papinhas do Brasil, cheio de sabor, variedade, temperos e histórias de todos os cantos do país.

Nas próximas páginas, você vai conhecer a primeira família, que representa a região Sul. Depois virão os pais das regiões Nordeste, Sudeste, Centro-Oeste e Norte. Em cada uma dessas histórias, contadas pela equipe da CRESCER, você vai saber quais são os costumes de cada região quando a família está sentada à mesa e porque é tão importante valorizar os ingredientes locais na hora de preparar a papinha. “Eles, em geral, são mais frescos, você vai encontrar em maior quantidade e por um preço mais acessível”, diz Francisca Teresa Veneziano Faleiros, pediatra, professora da da Unesp-Botucatu (SP).
Cada uma dessas reportagens vai trazer duas receitas de papas, uma doce e outra de carne com legumes (os médicos chamam assim porque, quando se falava em papa salgada, ficava a ideia de que a comida deveria ter sal, mas não precisa, não – se usar, ponha apenas uma pitada). Vamos contar os nutrientes que cada alimento regional tem e como você pode substituí-lo caso não tenha a oferta na sua cidade. “É importante lembrar que não existe um legume, verdura ou fruta que o bebê não possa comer. O importante é variar os alimentos, sempre”, diz Fabíola Suano, da Sociedade Brasileira de Pediatria.
Como você vai ver, não é só falar de comida. A refeição é muito mais do que isso. É o prazer de sentar à mesa, de cozinhar para alguém, de trocar olhares e conversar. Um momento para curtir com a família.
Papinha sem dúvidas
O QUE NÃO PODE FALTAR NA PAPA?
Precisa ter uma fonte de carboidrato (arroz, macarrão), uma de proteína (carnes em geral), e duas de legumes ou verduras. Não esqueça de usar temperos, que dão um gostinho especial e, se for usar sal, maneire.
É RUIM BATER TUDO NO LIQUIDIFICADOR?
Sim!!! Papa não é sinônimo de sopa. Ao contrário. Você precisa esmagar tudo com um garfo. Quando batida, a criança não aprende a reconhecer as diferenças entre os alimentos e não desenvolve a mastigação.
POSSO USAR A PANELA DE PRESSÃO?
Alguns médicos dizem que muitos nutrientes se perdem quando expostos a temperaturas altas. O melhor é preparar em uma panela comum.
QUAL A QUANTIDADE IDEAL PARA CADA REFEIÇÃO?
É variável, mas tenha essas medidas como referência. Dos 6 aos 9 meses: de quatro colheres (das de sopa) a uma xícara. Dos 10 aos 12 meses: uma xícara cheia. De 1 a 3 anos: um prato infantil.
POSSO CONGELAR?
Sim, por até um mês. Coloque a papa no pote, resfrie rapidamente e ponha um adesivo com data e os ingredientes que você usou. “
Do site da Revista Crescer

Mãe de Aécio e esposa de Renato, publicitária, especialista em Criação Visual e Multimídia, trabalha com marketing e comunicação e, além do Mãe do Ano, é responsável pelo Roteiro Baby JP, que divulga a programação infantil de João Pessoa, é presidente da Associação das Mulheres empreendedoras da Paraíba, tem uma banda de músicas infantis – a Catavento Colorido – e desenvolve atividades para crianças através da Colmeia Projetos Criativos.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Comment *