dsg

Outro dia disse a minha mãe que um dia iria a Fátima, em Portugal, e que ela deveria ir junto para que a viagem fosse perfeita. E ela me disse que com a idade chegando não tem mais tanta vontade de sair de seu cantinho.

Oi????!!!!

Como alguém pode não ter vontade de sair do seu mundinho?

Entendo que cada um tem um sonho a realizar e que o meu (conhecer o mundo de cantinho a cantinho) pode não ser o de muita gente. Mas ter a oportunidade e não querer fazer uma bela viagem pelo menos uma vez na vida???!! Ah não me conformo. Fiquei realmente intrigada com isso. Daí, comecei a me perguntar: por que viajar? Afinal não é tão lindo assim sair de sua casa, seu cantinho, seu conforto, não falar sua língua, deixar suas coisas, seu cheirinho, seu arroz com feijão, seu travesseiro, seu colchão, enfim tudo que você sempre quis e “abandonar” por alguns dias. 

Fiz várias pesquisas sobre o assunto. Li opiniões de viajantes, mochileiros, empresários e sabe o que descobri? A maioria das respostas é respirar um ar diferente, aprender uma nova língua, comer comidas diferentes, ou seja, tudo que era “difícil” de desapegar é justamente o motivo da necessidade de viajar.

 Sim minha gente, viajar é uma necessidade!

 Já escrevi sobre a importância do lazer em nossas vidas mas em minhas pesquisas achei uma descrição muito boa sobre isso:

 “Roland Barthes já dizia: ‘não há, nunca houve em lugar nenhum povo algum sem narrativa’. No teatro, no cinema, na televisão e até em pinturas… Lá está uma narrativa para nos atrair, seja de amor, de dor, ou de terror. “A narrativa está presente em todos os tempos, em todos os lugares em todas as sociedades; a narrativa começa com a própria história da humanidade”. (…) Tudo é história: oral, escrita, sonhada. E se a humanidade não vive sem narrativa, então já não é ela um gostar, uma opção, é uma necessidade humana e como tal deve ser direito de todo ser humano poder viver suas próprias histórias.

(…)Viajar é a ação que nos permite criar enredos antes, durante e depois. É quando mais fazemos roteiros, ainda que estes não cheguem a se concretizar. É a melhor maneira de nos sentirmos pertencentes de outra época, de outra cultura, de outra história que não é de fato a nossa.”

Simples assim e ponto final!

Pois bem…Voltando ao caso Dona Maria, minha mãe, depois de tudo isso, num belo final de semana de aniversário dela, passei em seu apartamento e disse:

-Arruma uma mochilinha que vamos viajar?

-Pra onde? respondeu ela.

-Só até Recife! Mas vamos comemorar seu aniversário num lugar diferente topa?

-Até tenho vontade de conhecer lá mas tenho casa pra cuidar, passarinho, blá blá blá.

Expliquei a ela que já tinha combinado tudo com minha irmã e por fim ela cedeu. O que aconteceu? Ela simplesmente adorou. Voltou toda animada dizendo como era bom relaxar, ver coisas diferentes e voltar para seus afazeres com a cabeça tranquila.  Moral da história estamos planejando onde passaremos o meu aniversário.

No caso da minha mãe esta necessidade estava reprimida pelos afazeres e obrigações diárias. O que ocorre com muita gente. Mas viajar te deixa mais criativo e mais leve para as obrigações. E nem precisa ser uma viagens de meses ou de atravessar o oceano. Uma visita ao interior do Estado, um passeio de final de semana numa cidade diferente já é o suficiente para renovar corpo e alma.
E aí? Bora viajar?

Sem título

Paulistana de nascimento, Paraibana de coração. Casada há pouco e “amigada” a muito, mãe da Giulia minha pequena joia e do Dachshund Tiko nosso mascote . Formada em turismo segui minha carreira na aviação por 8 anos. Depois de um marido, um cachorro e um bebe (chegando em minha vida nesta ordem..rs..) procurei algo que pudesse ainda conciliar com a função mãe e dona de casa. Para isso me tornei franqueada da Portal Travel e assim vendo sonhos e felicidade procurando sempre oferecer a todas as famílias o que desejo pra minha.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Comment *