Olá, todos e todas!

Estou iniciando hoje a série “Por que fotografar…?”.  Nela, irei expôr meus pensamentos sobre alguns motivos para investir em fotografia em diferentes fases da vida. A ideia é seguir uma ordem cronológica do que acontece normalmente na vida de um adulto. Por isso a ordem será: casal, gestação, recém-nascido, acompanhamento até o primeiro ano e família.

Espero que gostem! Críticas e sugestões são bem vindas. 😉

Bem, vamos lá? Hoje é dia de falar sobre por que fotografar a vida a dois!

“Por que fotografar casal?”

Débora + Thiago por Gabriela Olem

Vários casais fazem fotos apenas na época que precede o casamento e durante a festa (alguns fazem até depois, com o irreverente ensaio Trash the dress), mas depois que passa esse marco na vida dos dois, muitos só vão investir em fotografia novamente quando a mulher engravida. E isso é um erro.

A vida em casal tem muitas peculiaridades. Durante o namoro e após dois ou três anos de casados, quando não se tem filhos, o casal tem um estilo de vida diferente do que tem na época do casamento e do que irão ter na época da gravidez. Geralmente se trabalha muito, tem os estudos, algumas viagens. O casal vive para si, não há um bebê ou criança para dividir a atenção dos dois. Ambos têm coisas que mudam com o tempo: pode ser um estilo, tipo de cabelo, peso (esse principalmente, rs) e geralmente são jovens. Essas coisas usualmente não voltam atrás depois que se passa para a próxima fase. Por isso é importante “carimbar” a passagem do tempo após alguns anos.

Débora + Thiago por Gabriela Olem

Além da parte “documental” da fotografia de casal, há o que eu considero como parte “espiritual”. Pois pra mim, a fotografia não é só o congelamento de um momento, ela é dinâmica, viva, influenciadora. Não só o resultado final deve emocionar, como o processo em si (estar na frente das câmeras) deve mexer com o casal, aproximar, até esquentar a relação. A foto que transmite o real sentimento de carinho entre duas pessoas é capaz de provocar as mais diversas sensações, principalmente em quem a protagoniza. Quem não fica com um sorriso bobo ao ver que o amor que se possui por uma pessoa foi finamente capturado e transborda diante dos olhos? Eu amo ver fotos em que estou interagindo com carinho e amor com meu marido. Dá vontade de colocar num quadro bem grande em casa, pra olhar todos os dias, renovar o amor, carinho e fazer a vontade de estar junto só crescer.

Rossana + Thiago por Gabriela Olem

Quanto aos estilos de fotografia, eu posso descrever dois principais. Há o ensaio tradicional de estúdio, com muita pose e pouca diferença entre o ensaio de uma pessoa com o de outra. E há o lifestyle, que procura mostrar o casal como ele é, podendo ser feito dentro de casa, num passeio na praia ou no parque, deixando a espontaneidade ser livre e nascendo as fotos mais naturais. Além disso, há os experimentais, como o “morning after”, que tem registros mais “picantes” do casal.

Rossana + Thiago por Gabriela Olem

Meu estilo é mais lifestyle. Eu gosto das coisas como elas são. Prefiro trabalhar com elementos que não posso controlar: vento, água, luz natural, sombra, lugares diferentes. Prefiro o ar livre, até porque eu tenho uma técnica especial de atividades para os casais, que os deixa à vontade e provoca neles o estímulo necessário para se focarem no que realmente importa em uma sessão de fotos do casal: o parceiro (tenho os depoimentos de quem já fez essa experiência comigo aqui, caso queira ver. 🙂 )

Casais por Gabriela Olem

Então, vai do gosto do casal escolher entre um dos tipos. O importante é não deixar passar em branco essa fase tão importante de ambos.

Espero que tenham gostado!

Em breve estarei escrevendo sobre os motivos para fotografar a gestação. 🙂

Beijos!

ps.: fotos de ilustração do post feitas por mim. 😉

Contribuição do leitor. Saiba como participar do blog: http://www.maedoano.com.br/participe-do-blog/

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Comment *