Imagem: Reprodução

O Papanicolau é um dos exames mais importantes na saúde da mulher e tem como objetivo diagnosticar precocemente o câncer do colo do útero – o terceiro tumor mais comum entre as brasileiras. Segundo as diretrizes brasileiras, o intervalo entre os exames de Papanicolau deve ser de três anos, após dois exames anuais resultarem como negativos. 

Também chamado de preventivo, o Papanicolau deve ser realizado por todas as mulheres de vida sexualmente ativa, presente ou passada, que pertençam à faixa etária de 25 a 59 anos, por ser a faixa etária de maior ocorrência das lesões precursoras de alto grau passíveis de serem efetivamente tratadas e não evoluírem para câncer. A continuidade do rastreamento após os 60 anos deve ser individualizada e, após os 65 anos, a recomendação é de suspender o rastreamento se os dois últimos exames dentro de um período de 5 anos estiverem normais. 

Mas infelizmente não é bem assim que acontece. Segundo a FEBRASGO (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia), cerca de 50% das pacientes brasileiras de câncer de colo de útero relatam nunca terem feito um exame durante a vida e a proporção daquelas que não realizam o exame regularmente é relevante. 

Como funciona o exame?

O processo de coleta do exame Papanicolau convencional envolve raspar as células do colo do útero com o auxílio de uma espátula e espalhá-las em uma lâmina de vidro, seguida pela fixação das células na lâmina em álcool absoluto e posterior coloração das células para visualização em microscópio. 

Imagem: Reprodução Google

O profissional capacitado busca ao microscópio, então, a presença de células de tamanho, contorno, coloração ou agrupamentos alterados para detecção de lesões precursoras do câncer de colo de útero ou de células francamente malignas. 

A citologia em base líquida ginecológica ThinPrep garante resultados mais precisos e consiste em um exame de Papanicolau no qual a coleta das células é realizada através do uso de uma escova (para coletar as células presentes dentro do canal cervical) e de uma espátula (para coletar as células presentes na superfície exterior do colo de útero) que são, posteriormente agitadas em um frasco de meio preservante líquido.

Este se converteu no método citológico de rastreamento de câncer de colo de útero mais utilizado nos EUA, tornando-se o método de eleição para citologia ginecológica dos gigantes conglomerados norte-americanos LabCorp e Quest. 

A citologia em base líquida ginecológica ThinPrep foi posta à prova em mais de 250 publicações científicas independentes e mostrou-se significativamente mais eficaz do que o Papanicolau convencional para detecção de lesões precursoras de baixo grau (equivalente à classificação Neoplasia Intraepitelial Cervical I ou NIC I do Papanicolaou), de lesões precursoras de alto grau (equivalente à classificação Neoplasia Intraepitelial Cervical II e/ou III ou NIC II/NIC III do Papanicolaou) e de células glandulares informativas da presença de adenocarcinomas. Além disso, a citologia em base líquida ThinPrep também permite que a amostra de células remanescente da preparação da lâmina microscópica seja utilizada em testes de biologia molecular para detectar o Papilomavírus Humano (HPV), e infecções sexualmente transmissíveis (IST) como a clamídia e os gonococos, dentre outros patógenos. 

A preparação da lâmina microscópica da citologia em base líquida é realizada em instrumentos semi-automatizados ou completamente automatizados e utiliza-se de uma etapa de filtragem do líquido que impede que as eventuais hemácias e células inflamatórias e os elementos de obscurecimento presentes na amostra sejam transferidos para a lâmina. Assim, a qualidade das células e a sua morfologia é preservada, e a distribuição das mesmas em uma monocamada homogênea na lâmina permite que o profissional capacitado identifique com maior facilidade alterações morfológicas suspeitas. 

A citologia em base líquida ginecológica ThinPrep oferece também a opção de detecção de células anormais através de imagens.

O investimento científico da Hologic Inc. não se limitou ao desenvolvimento do meio de coleta e dos instrumentos de preparação de lâminas no que se refere à citologia em base líquida ginecológica ThinPrep. Para oferecer aos laboratórios a elevação de produtividade aliada à detecção mais sensível e específica de ASCUS e NIC II/NIC III e à redução da taxa de resultados falso-negativos, a Hologic Inc desenvolveu duas opções de instrumentos para leitura automatizada de lâminas microscópicas de citologia em base líquida ginecológica ThinPrep: o ThinPrep Imaging System (para laboratórios de grande demanda) e o Integrated Imager (para laboratórios de baixa a média demanda). Nestes sistemas, cada lâmina é escaneada digitalmente e um algoritmo de software computacional identifica campos de visão com células suspeitas, salvando a sua localização na lâmina. Em seguida, o sistema apresenta estes campos para que o profissional capacitado revise a leitura automatizada e feche o diagnóstico da lâmina. 

Fonte: Hologic.

Formada em Nutrição, divide o tempo de trabalho entre a clínica, alimentação escolar e fotografia! É mãe de um super herói, blogueira desde a adolescência, meio nerd, adora música, moda, séries e filmes.

1Pingbacks & Trackbacks on Papanicolau: importância e tipos do exame

  1. […] O Papanicolau é um dos exames mais importantes na saúde da mulher e tem como objetivo diagnosticar precocemente o câncer do colo do útero – o terceiro tumor mais comum entre as brasileiras. Segundo as diretrizes brasileiras, o intervalo entre os exames de Papanicolau deve ser de três anos, após dois exames anuais resultarem como negativos. Também chamado de preventivo, o Papanicolau deve […] … … Ver artigo completo no Blog […]

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Comment *