Com o verão e os dias mais quentes se aproximando, assim como as férias de fim de ano, muda-se a rotina da família e, consequentemente, os cuidados com os bebês e crianças devem ser redobrados. Segundo a pediatra de São Paulo, Dra. Maria Julia Carvalho, as crianças ficam mais expostas ao sol, à piscina e ao ar livre e, por serem mais sensíveis do que adultos, os pais devem ficar em alerta com os pequenos.

Entre os incômodos mais comuns dessa época do ano estão aqueles relacionados com a perda de líquidos pelo corpo, como desidratação, as picadas de insetos ou os problemas decorrentes das altas temperaturas, como queimadura solar e insolação.

Confira algumas dicas da especialista para curtir os dias quentes sem complicações:

Exposição solar: os bebês até os seis meses de idade não devem ser expostos diretamente ao sol e nesta faixa etária não está liberado o uso de protetor solar. Já as crianças maiores devem evitar a exposição solar das 10 às 16 horas, além de usar protetor solar, roupas leves e chapéus.

Insolação: o problema acontece quando há um aumento da temperatura do corpo, decorrente da exposição solar exagerada, podendo levar a sintomas como diarreia, vômitos, vermelhidão na pele e febre. Nesse caso, é aconselhável deixar a criança em local fresco, fazer compressas molhadas no corpo e oferecer uma alimentação de fácil digestão, além de sucos e água.

Desidratação: No calor, as crianças tendem a perder mais líquidos do que adultos. Por isso, é importante mantê-las sempre hidratadas. Mas em caso de desidratação, os pais devem oferecer muito líquido, como suco, chá e água. Além disso, também podem fazer soro caseiro: 200 ml de água potável, a ponta da colher de chá de sal e duas colheres rasas de açúcar.

Intoxicação alimentar: quando há a ingestão de alimentos ou água contaminada pode ocorrer a chamada intoxicação alimentar. Nesse caso, recomenda-se que o paciente ingira muito líquido, tenha uma alimentação leve e faça repouso.

Queimadura por água viva: Caso ocorra esse acidente na praia, lave o local com água do mar durante meia hora e depois lave com vinagre. O maior erro é lavar a região com água doce ou soluções a base de álcool, pois isso faz com que seja liberado mais veneno na região. Gelo também pode ser colocado na área para diminuir a dor, mas caso ocorra alguma alergia é necessário consultar um médico.

Queimaduras: Lave o local que foi queimado com água corrente fria até que a região seja resfriada e depois apliquei uma gaze molhada com água fria ou com chá de camomila. Procure não passar nenhuma receita caseira ou pomada, pois pode irritar o local da queimadura. Também não se deve estourar possíveis bolhas, que podem surgir depois do acidente.

Ralados: Para cortes pequenos e superficiais pode-se fazer a higienização do local apenas com sabão neutro e água. Já em casos de cortes mais profundos é importante que a criança passe por uma avaliação médica para avaliar a necessidade de sutura. Nesses casos é ainda mais importante que a carteira de vacinação dos pequenos esteja em dia devido ao risco de tétano.

Mãe de Aécio e esposa de Renato, publicitária, especialista em Criação Visual e Multimídia, trabalha com marketing e comunicação e, além do Mãe do Ano, é responsável pelo Roteiro Baby JP, que divulga a programação infantil de João Pessoa, é presidente da Associação das Mulheres empreendedoras da Paraíba, tem uma banda de músicas infantis – a Catavento Colorido – e desenvolve atividades para crianças através da Colmeia Projetos Criativos.

1Pingbacks & Trackbacks on Pais devem redobrar os cuidados com as crianças nos dias mais quentes

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Comment *