Para começar, falamos direitinho sobre o desenvolvimento da linguagem aqui.

Devemos manter em mente que as idades, tanto do desenvolvimento cognitivo quanto motor, são aproximadas, com referência em uma média. Ou seja, a capacidade de pensamento representativo, característica marcante do estágio pré-operatório, pode não aparecer logo que a criança faz 2 anos de idade.

Outra coisa importante é perceber que, muitas vezes, os estágios se sobrepõem: entrar no estágio pré-operatório não necessariamente quer dizer que a criança aprendeu tudo que tinha para aprender no estágio sensório-motor.

Nesses casos, não há porque se preocupar, pois a passagem de um estágio para o outro não significa que ela não será capaz de desenvolver essas habilidades posteriormente. Pelo contrário, as habilidades já adquiridas continuam evoluindo sempre, independente do estágio.

Vale lembrar que crianças diferentes se desenvolvem de maneiras diferentes, mas, em linhas gerais, existe um tempo certo para que algumas habilidades apareçam.

Se, por acaso, uma criança de 3 anos ainda não consegue falar uma palavra, é sinal de que ela apresenta alguma disfunção no desenvolvimento e isso deve ser investigado. Por outro lado, bebês que não saem da fase do balbucio podem ser surdos, sendo esta apenas outra condição que precisa de atenção.

Na dúvida, consulte sempre um pediatra de confiança. Se necessário, ele poderá encaminhar o pequeno para um fonoaudiólogo, psicopedagogo, neurologista, entre outras especialidades que podem ajudar a trabalhar essas habilidades.

É importante compreender os estágios do desenvolvimento cognitivo infantil porque é justamente nessa fase que aparecem os primeiros sintomas de vários transtornos diagnosticados na infância, como é o caso do autismo e do transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) e dislexia.

Além disso, dificuldades no aprendizado de uma criança podem ser um convite para a reflexão: o que está acontecendo no ambiente social e familiar dessa criança que pode estar atrapalhando seu desenvolvimento?

Como dito anteriormente, os vínculos afetivos são indispensáveis para um desenvolvimento pleno e de qualidade. Pais que brigam frequentemente ou que são ausentes, a presença de algum irmão com quem a criança é sempre comparada, situações nas quais ela é inferiorizada, entre outros, são todos fatores que prejudicam o desenvolvimento.

Por isso, às vezes o problema pode não estar na criança em si, mas na dinâmica familiar. Nesses casos, é importante prestar atenção nas atitudes que podem prejudicá-la, assim como buscar ajuda quando necessário.

Fonte: PIAGET, J. Seis estudos de psicologia.

Formada em Nutrição, divide o tempo de trabalho entre a clínica, alimentação escolar e fotografia! É mãe de um super herói, blogueira desde a adolescência, meio nerd, adora música, moda, séries e filmes.

2 Comments on O que fazer se meu filho não apresenta o desenvolvimento típico na linguagem?

  1. Dorisa
    20/08/2018 at 12:59 (10 meses ago)

    Saudações! Conselhos muito úteis dentro deste post!
    É o muda pouco que fará o maior mudanças.

    Muito obrigado por compartilhar!

    Responder

1Pingbacks & Trackbacks on O que fazer se meu filho não apresenta o desenvolvimento típico na linguagem?

  1. […] Para começar, falamos direitinho sobre o desenvolvimento da linguagem aqui. Devemos manter em mente que as idades, tanto do desenvolvimento cognitivo quanto motor, são aproximadas, com referência em uma média. Ou seja, a capacidade de pensamento representativo, característica marcante do estágio pré-operatório, pode não aparecer logo que a criança faz 2 anos de idade. Outra coisa […] … … Ver artigo completo no Blog […]

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Comment *