E mais uma vez precisamos mudar o
pequeno de escola. A escola antiga era ótima, mas estava sendo bem complicado mantê-lo lá, porque era longe. E, quando levamos em consideração o tempo (às vezes levávamos 1:30h para chegar em casa), a gasolina e o aumento que escola teria esse ano, ficou bem pesado. Sendo assim, em outubro começamos a saga da escolha de escola novamente.

E, além de buscarmos uma escola que estivesse dentro das nossas possibilidades financeiras e de localização, ainda temos o “agravante” de que Aécio é uma criança especial. Sim!! Não sei se vocês sabem, mas ele tem o diagnóstico de Altas habilidades (conhecida também como superdotação) e, por isso, precisamos escolher muito bem a escola que vai o acolher porque muitas (ou quase todas) não sabem lidar com esse tipo de coisa.Bom, conhecemos algumas escolas e ligamos para outras que já conhecíamos… Acabamos escolhendo uma escola que tem uma filosofia um pouco mais parecida com o que queremos passar para o nosso filho (o que é quase impossível de conseguir aqui). Conseguimos uma vaga para ele (já tínhamos tentado essa escola em 2 anos anteriores, mas não havia mais vagas) e matriculamos. Mas eles optaram por não trabalhar mais com o sistema integral e, como eu voltei para o mercado no começo do ano, precisava de uma escola que ficasse com ele o dia todo.

Resultado: tivemos que correr no começo deste ano para procurar uma outra opção. Até que encontramos uma escola pequena, de bairro, sabe? Próxima da nossa casa, que caberia (com aperto) no nosso bolso e que tivemos boas referências. Ufa! Parecia ser a melhor opção.

Mas infelizmente, como sempre, as escolas não estão preparadas para crianças diferentes.

Aécio é uma criança que demanda muita atenção. Ele se entedia muito fácil, ele tem uma lábia maravilhosa, ele se cansa rápido e odeio repetições. Então, imagine o que é uma criança que já tem essas características, começando numa escola nova e num ano difícil como o primeiro, onde tudo é feito, tradicionalmente, com repetições e repetições e mais repetições. E as escolas querem tratar todas as crianças exatamente iguais, sendo que todas são MUITO diferentes.

Ai, já viu, né? Claro que estamos tendo problemas!! Mas, tentando resolve-los da melhor forma possível porque acreditamos na escola e que podemos, como pais, fazer um bom trabalho em conjunto e acreditamos, principalmente, no potencial do nosso filho.

E cabe à nós, pais, fazermos um bom trabalho junto às escolas para ajudar nossos filhos. Lembrem-se que não adianta jogar seu filho lá e achar que o “problema” agora é deles. Precisamos, sim, participar ativamente da educação dos nossos pequenos, mesmo que não possamos estar presentes (de corpo) o tempo inteiro, precisamos saber o que acontece e acompanhar tudo de perto.

Esse post faz parte de uma blogagem coletiva. O tema era carnav ou escola. Veja os outros:

Jaqueline @meumeninominhavida

http://maesapaixonadas.com/2017/02/24/adaptacao-escolar

Lu @recemmae

http://www.recemmae.blog.br/2017/02/21/cuidados-com-os-pequenos-no-carnaval/

Val @mamafante

http://mamafante.com.br/escola-nova-de-novo/

Taty @blogtripbaby

http://tripbaby.com.br/10-dicas-folia/

Claudia @maeliteratura

http://www.maeliteratura.com/2017/02/maratona-literaria-de-carnaval-blogagem.html

Mariana é paraibana, mas vive atualmente em Aveiro - Portugal. Mãe de Aécio e esposa de Renato, publicitária, especialista em Criação Visual e Multimídia, trabalha com marketing, comunicação e eventos. É fundadora do Mãe do Ano e, além dele, é responsável pelo Roteiro Baby Aveiro, que divulga a programação infantil na cidade de Aveiro.

2 Comments on Mudamos mais uma vez..

  1. Maria Valdirene
    15/03/2017 at 16:21 (1 ano ago)

    É amiga também estou passando por isso agora e é complicado, tive muito choro por aqui já, mas espero que ao final tudo de certo, boa sorte ai também, bjokas!

    Responder

1Pingbacks & Trackbacks on Mudamos mais uma vez..

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Comment *