274410f304c11a8881a6eebae3005bd1
Imagem: Pinterest.com

Quando criança, eu brincava de escolinha, de ser médica, bancária, babá, vendedora, desenhista, cabeleireira, mãe, filha… E sempre gostei de ler e escrever. Tinha diário, ficava horas no quarto, concentrada, obstinada a – quem sabe um dia – escrever um livro. Ninguém reclamava porque devia ser lindo ver uma criança de nove/dez anos, pedir para ler dicionário: e eu ficava procurando uma palavra difícil para usar, logo que fosse possível.

Brinquei de inúmeras profissões, mas na hora de escolher o que eu realmente queria fazer, uma única opção: psicologia. Pronto! Naquele momento, eu aprendi sobre liberdade de escolha: ninguém queria, mas eu quis. Fui olhada com desgosto, tristeza e fracasso. Daí peguei tudo isso para insistir em mim. Hoje, sou psicóloga, escrevo, publico e só lido (bem) com os avessos humanos dos outros porque insisto em lidar com os meus, diariamente – desde muito tempo atrás. Insiste aí também! Ok?!

Resgatei esta memória porque, dia desses, fui questionada sobre “o mercado da psicologia”: valores, clientes, “essas coisas”, como disse a pessoa interessada. Respondi que, se o objetivo principal for o dinheiro, sugiro não tentar, pois só atrapalhará a profissão, embora este, venha sim, mas não tão rápido se comparado a outras profissões. É uma atuação que exige investimento pessoal (por exemplo, eu faço e pago: terapia, grupo de estudos, supervisão). É um constante movimento de buscar entender o humano. Um tipo de trabalho (im)possível, que funciona e é incrível para quem realmente investir adequadamente. E gostar de palavras e pessoas. E acreditar! ♡

Mayara Almeida é Psicóloga de orientação psicanalítica, Esp. em Gestão de Pessoas e pós-graduanda em Psicologia Clínica. Também é Escritora e membro do grupo de escritores Sol das Letras. Atua em consultório na cidade de João Pessoa/PB, atendendo, crianças, adolescentes e adultos. Cultiva um carinho todo especial pelo universo materno e infantil, por isto está aqui.

1Pingbacks & Trackbacks on Menino(a), você pode ser o que quiser (mesmo que – aparentemente – não queiram que você seja!)