Eis uma pergunta que, mesmo sendo nutricionista, eu não esperava receber do meu filho de 5 anos. Olhei para ele com dúvida e perguntei onde ele havia ouvido falar sobre o glúten. “Na TV uma menina disse que comeu uma lasanha sem glúten e a mãe dela falou que o glúten fazia mal. Eu não quero comer o lanche coletivo, se no meu lanchinho da escola tiver glúten, eu vou ficar dodói?”.

Bread groupglúten é resultante da mistura de proteínas que se encontram naturalmente na semente de muitos cereais, como trigo, cevada, centeio e aveia. Obviamente é bastante usado nos alimentos de hoje em dia – especialmente os industrializados. Existem casos de pessoas que tem intolerância ao glúten, onde a ingestão desse composto pode provocar danos na parede do intestino e por tabela, prejuízos para a saúde. Existe também um segundo grupo, os celíacos. A Doença Celíaca é uma reação autoimune provocada pela ingestão do glúten onde as células de defesa atacam o glúten e ao mesmo tempo atacam também as paredes do intestino, provocando atrofia na mucosa intestinal, o que impede a absorção normal dos nutrientes. Essa é uma doença crônica que exige a eliminação total do glúten na dieta por toda a vida. Em pessoas não intolerantes e não celíacas, ingestões de quantidades normais de glúten são perfeitamente saudáveis. Mas como agir diante de crianças que estão sendo expostas ao medo da ingestão de certos alimentos assim tão precocemente? glutenfear É importante passar segurança para a criança. No meu caso, eu expliquei que do mesmo jeito que um carrinho é formado por várias partes diferentes, como capô, rodas, portas, vidros, direção, etc, a mesma coisa acontece com os alimentos. Expliquei que o glúten era uma dessas partes de algumas comidas e que ele já havia comido glúten no pão, no biscoito, no bolo, na pizza, na lasanha e por isso não deveria temer, pois se ele se sentisse mal após comer alguma comidinha, com glúten ou não, era só ele me dizer e então não comer mais o que tinha o deixado dodói. Quando eu era criança, não existiam tantas pessoas alérgicas ao meu redor. Mas nossa espécie está mudando – e acho que talvez não estejamos ainda preparados para essas mudanças. Devemos nos informar cada vez mais sobre o melhor tipo de alimentação para nossa família, mas devemos também tomar cuidado para não passar para a geração dos nossos filhos uma relação de medo com a comida. Orientem seus filhos a nunca oferecer comida a outras crianças sem o consentimento dos pais, pois nunca sabemos se aquela criança é uma criança alérgica, celíaca ou intolerante, seja ao glúten ou outro composto. Criando esse hábito naturalmente, nós teremos uma relação saudável com os alimentos e uma segurança bem maior nos encontros em grupo. E você, o que responderia ao seu filho? (Imagens: Google)

Formada em Nutrição, divide o tempo de trabalho entre a clínica, alimentação escolar e fotografia! É mãe de um super herói, blogueira desde a adolescência, meio nerd, adora música, moda, séries e filmes.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Comment *