As cortinas têm um papel fundamental na decoração: são elas que vestem as paredes da casa e ajudam a trazer aconchego para os ambientes. Mas a escolha do modelo ideal não deve se basear só na estética da peça. “É preciso considerar como o espaço é usado e a intensidade de luz desejada, pois a principal função da cortina é controlar a luminosidade, trazendo mais conforto visual e térmico para o ambiente”, explica a arquiteta Denise Barretto.

Acompanhe as recomendações da profissional para a obtenção do melhor resultado:

1)     Tecido

O tecido é o elemento mais importante na cortina, pois é ele que vai determinar a quantidade de luz natural que entra no espaço. “Tramas mais leves, como as do voil e do chiffon, são a melhor opção para deixar a luz entrar, enquanto tramas mais fechadas, como o algodão, o linho e a seda, filtram mais a claridade”, explica Denise. Os mais encorpados, entre eles a camurça, o veludo e os tecidos blecaute, devem ser usados para barrar a entrada de luz e escurecer os ambientes. Como também melhoram a acústica dos espaços, podem compor salas de TV e quartos.


Projeto: Denise Barretto Arquitetura | Foto: Romulo Fialdini

Para as cortinas do living deste apartamento, rodeado por grandes janelas, Denise elegeu a gaze de linho em um tom de cinza. A escolha permite barrar a claridade, principalmente no home theater, e traz unidade ao lado dos pilares da mesma cor.

2)     Suporte

Para instalar a cortina, é possível usar o trilho suíço ou o varão. “Em projetos planejados do zero, incluir um vão entre o forro de gesso e a parede para embutir o trilho suíço oferece o melhor acabamento”, indica a arquiteta. Já o varão, fixado diretamente na parede, é uma boa opção para quem busca praticidade na instalação. Como o suporte fica exposto e pede acessórios como ponteiras, o varão também traz mais informação visual e pode enriquecer o décor.


Projeto: Denise Barretto Arquitetura | Foto: Zeca Wittner

PNa casa de campo, a suíte tem inúmeras janelas e portas para o terraço. Denise optou pelo trilho suíço embutido no forro para instalar as cortinas em linho rendado.

3)     Medidas

Cortinas longas, que vão do teto ao piso, não têm regras para o comprimento: podem ficar rentes ao chão ou arrastando um pouco. A escolha varia de acordo com o gosto do morador e do caimento desejado para o tecido.

As cortinas mais curtas, por sua vez, devem respeitar algumas medidas para impedir que a luz vaze pelos lados. Elas devem ser instaladas pelo menos 20 cm acima da janela e a barra também deve ultrapassá-la entre 20 cm e 30 cm. Nas laterais, a cortina deve avançar de 25 cm a 30 cm além da janela.


Projeto: Denise Barretto Arquitetura | Foto: Julia Ribeiro

Para a barra, a medida indicada é de pelo menos 15 cm, mas também não é uma regra. No living que se integra à varanda, Denise escolheu uma dobra mínima para a cortina de macramê, que mistura fios de algodão e de seda rústica com um forro leve. “Optei por uma barra mínima, já que a cortina é toda trabalhada”, explica a arquiteta.

Formada em Nutrição, divide o tempo de trabalho entre a clínica, alimentação escolar e fotografia! É mãe de um super herói, blogueira desde a adolescência, meio nerd, adora música, moda, séries e filmes.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Comment *