Existem conceitos e teorias que só quem tem um filho consegue filtrar. A ideia do que é errado, politicamente correto e saudável pode ser bem diferente dependendo de quem observa ou age.

Quem não tem filhos reprova; quem já tem uma criança apoia. E é assim que alguns tabus e estigmas da graça de ser o responsável por uma nova vida entram em perspectiva.

Abaixo segue uma lista de alguns comportamentos que conseguem definir bem esses pontos de vista:

Crianças com mochila-coleiras

image

Sim, parece um atentado, uma monstruosidade. Coisa para cachorro. Mas espere até visitar um lugar repleto de novidades, cheiros, cores e pessoas: a criança não vai parar por um segundo! Ainda mais se tem mais de um filho em questão. É um acessório incrivelmente comum nas ruas da Europa. Nos Estados Unidos é item obrigatório em parques como a Disney. A polêmica é grande.

Aviões e crianças

Muita gente torce o nariz quando encontra na primeira fila do avião casais e seus bebês de colo. Por que viajar com essas crianças!? Depois que você se torna mãe, começa a entender. É uma viagem para visitar parentes. Um tempo junto com a família. Férias, quem sabe. São direitos de qualquer um, independente se eles têm filhos ou não. Os pais precisam se preparar com muita bagagem de mão. E sim, todos os pais que viajam com suas crianças em avião sabem que estão incomodando. Olhar de cara feia só vai trazer mais sentimento de culpa. E a pressurização da cabine sempre vai fazer um bebê chorar.

Mães que não amamentam

“Leite materno é natural, de graça. Fonte completa de nutrientes e vitaminas. Saudável e cheio de anticorpos da mãe. Então que egoísmo é esse!?” Infelizmente não é toda mãe que produz o suficiente para amamentar. Algumas sentem dores, principalmente mães de primeira viagem que não conhecem a arte da massagem para desempedrar. Bebês estão sempre com fome. Amamentar é uma tarefa longa durante o dia. Cansa durante a noite e limita sua já escassa rotina de sono. Imagine então ter que trabalhar, descobrir como arrumar o quarto bagunçado depois de uma noite em cólicas, limpar a cozinha, fazer compras e ainda por cima ter tempo disponível para a amamentação. Eliminar por completo é um erro, sem dúvidas. Mas alternativas nem sempre são erradas.

Pais que pegam taxis sem cadeirinhas

Lembra daqueles pais do avião, com uma criança de colo? Eles precisam ir para um hotel ou voltar para casa. Pode parecer absurdo, mas não é todo mundo que tem carro no Brasil. E nem todo taxi tem uma cadeirinha no porta-malas. E a segurança do bebê? O Contran faculta a utilização de cadeirinha em taxi. O certo seria pegar um ônibus, pois não requer cinto, talvez o metrô. Com as malas, em um dia chuvoso. No inverno, certo? Existem algumas prioridades e confortos que são difíceis de balancear quando se está com uma criança em uma condição desfavorável.

Crianças que fazem xixi na rua

Sim, pode ser uma situação bem desagradável. Mas tem criança que tem um reloginho completamente desregulado e elas sempre vão querer ir ao banheiro nos momentos mais inapropriados. No meio de um passeio em um parque, sem banheiro. Na travessia de balsa durante um dia quente de férias de verão. Na rua arborizada em um sábado de compras. Não é um crime quando seu filho de 4 anos pede para ir naquela árvore do parque. Felizmente a mãe natureza consegue se resolver sem problemas!

Trocar as fraldas em público

Foto: Joe Shlabotnik
Foto: Joe Shlabotnik

Ah, existem muitos fraldários em todos os lugares: shoppings, aeroportos, até em restaurantes. Mas existem casos em que os banheiros estão impraticáveis. Com filas intermináveis. Ou lugares que não existam mesas próprias para trocas. Ou pior, estabelecimentos que não tem banheiros. É claro, novamente uma mãe vai se sentir envergonhada de trocar e limpar uma fralda em público. Mas é um serviço que não tem como adiar por muito tempo.

Pais que negociam

É uma conversa interminável: “escolha entre os nuggets ou a batata frita… Se não gostar, a mamãe come com você.” Mas quem é que negocia com uma criança, não é mesmo? Pais tem a autoridade de escolha, simples assim. Espere até ter um filho ou dois. E tente não negociar e impor. A flexibilidade de diálogo entre pais e filhos começa desde cedo. E provavelmente não acaba nunca mais.

Gente que leva os filhos para supermercados

Sim, quem tem filhos não deveria se alimentar. Ou então trabalhar. Criança em mercado quer todos os doces, balas, guloseimas e qualquer coisa que pisque ou brilhe. Choram, fazem birra, querem tudo o que vêem. Então por que trazer para o mercado!? Infelizmente pais com filhos visitam mercados com mais frequência que adultos solteiros. Não tem hora ou momento adequado. É quando dá. E ponto. Aliás, deve existir algum acordo com as marcas e os repositores de produtos para deixar todas as embalagens atrativas e coloridas no alcance das crianças. Pode reparar.

Mariana é paraibana, mas vive atualmente em Aveiro - Portugal. Mãe de Aécio e esposa de Renato, publicitária, especialista em Criação Visual e Multimídia, trabalha com marketing, comunicação e eventos. É fundadora do Mãe do Ano e, além dele, é responsável pelo Roteiro Baby Aveiro, que divulga a programação infantil na cidade de Aveiro.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Comment *