Especialista em produtos infantis lista objetos que podem passar despercebidos na hora de compor as malas para levar ao hospital

Lavar e passar as roupinhas minúsculas. Comprar os móveis e decorar o quarto. Todos esses momentos são inesquecíveis para as mães que estão esperando a chegada do filho. Mas preparar as malas para levar à maternidade é um dos momentos mais prazerosos e intensos da gravidez.

A ansiedade de ver o rostinho do bebê é tanta, que muitas vezes as mães acabam esquecendo algum item. Por isso, Amanda Teixeira, especialista no desenvolvimento de produtos da Tutti Baby, empresa que fabrica artigos infantis, listou cinco objetos que podem acabar esquecidos, mas que são essenciais para esse momento. Confira as dicas:

Documentos: carteira de identidade, cartão do plano de saúde, caderneta do pré-natal e documentos pessoais são fundamentais para fazer a internação. O acompanhante também deve ter os documentos em mãos.

Câmera fotográfica e filmadora: esse é o momento mais especial e comovente da vida dos pais. Por isso, não se esqueça dos aparelhos para registrar o parto e todos os primeiros contatos da mãe com o bebê e a emoção do papai.

Tesourinha para unhas: muitos bebês já nascem com as unhas compridas. E para não correr o risco de arranhar a pele delicada, o recomendado é ter uma tesourinha específica para cortar as unhas já na maternidade.

Lista prévia de pessoas que devem ser avisadas: são muitos detalhes e a emoção é tanta, que a família pode se esquecer de avisar aquela pessoa especial que o bebê já nasceu. Por isso, faça uma lista das pessoas que precisam ser avisadas e peça para o seu marido ou algum familiar informar.

Imagem: Divulgação
Imagem: Divulgação

Bebê-conforto: você não precisa levar para a maternidade, mas na hora da saída, o bebê já deve estar no bebê-conforto. Aliás, muitos hospitais não dão alta sem ter certeza que a criança vai ser transportada da forma correta. O bebê-conforto deve ser aprovado pelo Inmetro e instalado no banco traseiro, sempre de costas para o condutor e com o cinto de segurança preso. “Dessa forma, evita que o pescoço e cabeça da criança sejam lançados para frente no caso de uma colisão. Na hora de comprar, é importante optar por um que tenha o cinto de segurança de cinco pontos, com tecido acolchoado e, portanto, mais confortável. Além disso, há modelos que encaixam no carrinho do bebê. Esse item vai acompanhar a criança até completar um ano”, completa Amanda.

Mariana é paraibana, mas vive atualmente em Aveiro - Portugal. Mãe de Aécio e esposa de Renato, publicitária, especialista em Criação Visual e Multimídia, trabalha com marketing, comunicação e eventos. É fundadora do Mãe do Ano e, além dele, é responsável pelo Roteiro Baby Aveiro, que divulga a programação infantil na cidade de Aveiro.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Comment *