Itens variam de acordo com a idade da criança e até mesmo rotina da família. Especialista mostra o que levar em consideração para comprar o carrinho certo.

Imagem: Divulgação
Imagem: Divulgação

Dados recentes apontam que uma família de classe média gasta cerca de R$ 5 mil na aquisição do enxoval só no primeiro ano de vida do bebê. Os números, que são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), refletem a preocupação dos pais com o conforto e bem-estar dos filhos, além de uma crescente busca por produtos de qualidade. Quando o assunto é carrinho de bebê, a segurança é apenas um dos itens que devem ser considerados.

Amanda Teixeira, da área de produto da Tutti Baby, conta que os itens são criados a partir da idade de cada criança e do estilo de vida dos pais. “Por uma questão de ergonomia, comportamento e segurança, o ideal é que os pais levem tudo isso em consideração no momento da compra também”, aponta. A empresa tem cinco tipos de carrinhos, todos certificados através da Norma Brasileira de Segurança (NBR 14389).

A especialista selecionou dicas básicas para que você acerte na hora da escolha. Elas são baseadas tanto na idade do seu filho quanto na rotina da sua família. Veja:

Recém-nascido: “a firmeza é uma das coisas mais importantes, somada à possibilidade de reclinar o carrinho e de deixar a criança de frente para quem está conduzindo o equipamento. Nesta idade, é importante ficar sempre de olho no bebê e dessa maneira isso é possível. Para quem quer um pouco mais de praticidade, há modelos em que é possível encaixar o bebê conforto na estrutura do carrinho, evitando que a cada saída o bebê tenha que ser retirado do bebê conforto”.

Bebês acima de seis meses: “como já têm mais firmeza no tronco e geralmente já conseguem sentar sozinhos, fica um pouco mais fácil escolher. Muitos pais fazem a troca de um carrinho mais complexo (com encaixe de cadeirinha, por exemplo), por um mais simples de montar e mais aberto, já que essa é a fase em que os bebês gostam de ver o que está em volta e interagir”.

Mais uso no inverno ou no verão: “num país como o nosso com estações bem definidas, a temperatura também é item fundamental na avaliação. Se o seu filho vai usar um carrinho em épocas de mais calor, sempre se recomenda buscar opções mais abertas, ou com mais telas que permitam a ventilação. Se você mora no Sul e o bebê utilizará o carrinho no inverno, é bom evitar muita abertura para restringir o contato com o vento”.

Estrutura de passeio: “cada família tem as suas peculiaridades e isso deve ser levado em conta na escolha do carrinho. Enquanto quem tem família grande, que sai sempre junta, pode optar por um carrinho de montagem mais complexa, quem costuma ter apenas um adulto com a criança deve priorizar a praticidade. Os modelos de passeio, que podem ser abertos facilmente são ideais para esta situação”.

Imagem: Divulgação

Mãe de Aécio e esposa de Renato, publicitária, especialista em Criação Visual e Multimídia, trabalha com marketing e comunicação e, além do Mãe do Ano, é responsável pelo Roteiro Baby JP, que divulga a programação infantil de João Pessoa, é presidente da Associação das Mulheres empreendedoras da Paraíba, tem uma banda de músicas infantis - a Catavento Colorido - e desenvolve atividades para crianças através da Colmeia Projetos Criativos.

Comments are closed.