Um a cada dez estudantes é frequentemente vítima de bullying no Brasil.

Segundo o relatório do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa), dedicado ao bem-estar dos alunos, pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Dos 540 mil estudantes entrevistados, 17,5% contaram que sofrem algum tipo de bullying algumas vezes por mês, 7,8% disseram ser excluídos pelos colegas, 9,3% são alvo de piadas, 4,1% ameaçados e 3,2%, empurrados e agredidos fisicamente. Mais de 5% dos jovens também disseram que frequentemente tem objetos destruídos pelos colegas e 7,9% são alvo de rumores maldosos. Comentários e ofensas sobre a aparência é uma das ações mais comuns no ambiente escolar.

O bullying tem sérias consequências na vida das vítimas e também na dos agressores. Pensando nisso o cineasta Daniel Bydlowski lança o curta metragem Bullies, que mostra os perigos desse tipo de violência.

Idealizador do primeiro filme de longa metragem que mescla realidade virtual e a tecnologia 3D, NanoEden, o cineasta brasileiro que mora em LA, Daniel Bydlowski quis trazer em seu recente filme, chamado Bullies, um alerta sobre o problema do bullying que hoje é uma das formas de violência que mais cresce no mundo.

Foto: Divulgação

Daniel já sofreu bullying quando era criança e conduz um projeto para que outros jovens saibam que há apoio para o que eles estão passando, além de incentivar a educação para que esse tipo de agressão seja extinto nas escolas.

Como senti estas agressões na escola, quero mostrar para as crianças que também são vítimas destas violências que elas não estão sozinhas e que não precisam largar tudo o que gostam e seguir um caminho sem futuro. Acredito que há maneiras de ajudar crianças com uma abordagem diferente do que tem sido utilizada por educadores. (Daniel Bydlowski)

A proposta do filme é diferente dos outros já produzidos sobre o tema. Ele não tem como o público principal pais e professores, mas sim os jovens e crianças que sofrem e fazem o bullying.

No filme, Eugene, um garoto normal, sofre todos os dias bullying de um grupo de valentões. Em uma das fugas para evitar o sofrimento da violência, ele encontra um esconderijo extremamente seguro. Porém, para continuar nesse lugar, ele precisa desistir de outras coisas, como a sua família e as histórias em quadrinho de que tanto gosta.

Em uma metáfora da morte, Daniel demonstra artisticamente um triste final para os conflitos dos alunos com o bullying. Daniel não pretende que o intuito do filme seja eliminar o problema de bullying ou mostrar qual o melhor caminho a seguir, mas sim ajudar as crianças, que muitas vezes escondem o trauma, a verem que não estão sozinhas para que possam lidar com o problema sem medo de serem felizes.

Daniel Bydlowski (Foto: Divulgação)

SOBRE O DIRETOR  Daniel Bydlowski é cineasta brasileiro com Masters of Fine Arts pela University of Southern California e doutorando na University of California, em Santa Barbara, nos Estados Unidos. É membro do Directors Guild of America. Trabalhou ao lado de grandes nomes da indústria cinematográfica como Mark Jonathan Harris e Marsha Kinder em projetos com temas sociais importantes. Seu filme NanoEden, primeiro longa em realidade virtual em 3D, estreia em breve.

Para saber mais, acesse o site: https://www.bulliesfilm.com/

Formada em Nutrição, divide o tempo de trabalho entre a clínica, alimentação escolar e fotografia! É mãe de um super herói, blogueira desde a adolescência, meio nerd, adora música, moda, séries e filmes.

2Pingbacks & Trackbacks on Bullying: uma violência à infância

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Comment *