A anemia falciforme é uma doença caracterizada pela alteração no formato da hemácia, onde parte delas não são redondas, mas sim em forma de foice ou meia lua, havendo maior dificuldade em circular pelas veias e transportar oxigênio para os tecidos.

Fonte: Ingoh/ Reprodução

As causas da anemia falciforme são genéticas, ou seja, nasce com a criança e é passada de pai para filho. Isso significa que sempre que uma pessoa é diagnosticada com a doença, possui o gene que herdou da mãe e do pai. Embora os pais possam parecer saudáveis, se o pai e a mãe possuírem o gene, também chamado de traço falciforme, existe chance do filho ter a doença ou ser portador.

Além dos sintomas comuns de qualquer outro tipo de anemia, como cansaço, palidez e sono, a anemia falciforme produz outros sintomas característicos, como: dores nos ossos, músculos e articulações, infecções frequentes, retardo no crescimento e atraso na puberdade, mãos e pés inchados, olhos e pele amarelados. Estes sintomas aparecem, geralmente, após os 4 meses de idade.

Por falta de conhecimento da população, a anemia falciforme é comumente confundida com a anemia tradicional e leva alguns portadores a adotarem uma alimentação inadequada.

Fonte: Reprodução

Para que o portador da doença falciforme evite pioras, principalmente nas crises de dores, especialistas orientam a não comer alimentos vegetais ricos em ferro (feijão, lentilha, grão-de-bico, ervilha, jaca, banana, quiabo, etc.) junto com fontes de vitamina C (laranja, lima, tangerina, caju, limão e acerola). A vitamina C aumenta a absorção do ferro pelo organismo e isso é prejudicial para o portador, por acelerar a quebra da hemácia e acarretar piora das dores, pois a carcaça destas hemácias permanece na circulação sanguínea, obstruindo as veias.

Para as fontes animais, como a carne vermelha, a branca e o fígado, o perigo é menor, pois são fontes do chamado ferro heme, liberado para o doente. Se existir necessidade da vitamina C, a orientação é que não tome junto com a refeição principal, como o almoço.

Os portadores da anemia falciforme também devem dar preferência a alimentos ricos em ácido fólico, presente nos vegetais verde-escuros, como a couve e o pimentão, se possível tomar suplementos desta substância diariamente. O ácido fólico é importante, pois aumenta a atividade da medula óssea, responsável por fabricar novas hemácias. Devem também ingerir bastante líquido e evitar alimentos que provoquem desidratação, como excesso de sal e café, para ajudar na circulação sanguínea, evitando crises de dores.

 

Disclaimer: lembramos que nosso site traz informações gerais sobre saúde e alimentação, porém cada pessoa tem sua particularidade, sendo extremamente importante procurar um médico e um nutricionista para que juntos possam analisar os exames e decidir o tratamento medicamentoso e nutricional que se adeque melhor ao paciente.

 

Formada em Nutrição, divide o tempo de trabalho entre a clínica, alimentação escolar e fotografia! É mãe de um super herói, blogueira desde a adolescência, meio nerd, adora música, moda, séries e filmes.

1Pingbacks & Trackbacks on Anemia falciforme: o que comer?

  1. […] A anemia falciforme é uma doença caracterizada pela alteração no formato da hemácia, onde parte delas não são redondas, mas sim em forma de foice ou meia lua, havendo maior dificuldade em circular pelas veias e transportar oxigênio para os tecidos. As causas da anemia falciforme são genéticas, ou seja, nasce com a criança e […] … … Ver artigo completo no Blog […]

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Comment *