A tecnologia continua a mudar, mas a maternidade/ paternidade não precisa seguir o ritmo frenético do lançamento dos aplicativos e memes

tecnologia-atrapalha-desenvolvimento-infantil-2

De acordo com uma matéria intitulada “Pediatras precisam ajustar recomendações ‘ultrapassadas’ sobre o tempo de tela para as crianças”, a Academia Americana de Pediatria (AAP), entidade encarregada de proteger a saúde e o bem estar das crianças, decidiu que as suas recomendações sobre o “tempo de tela” – basicamente nenhum tempo de tela para crianças menores de 2 anos de idade e apenas duas horas por dia para adolescentes – precisam ser atualizadas.

Esperado para 2016, o documento que atualizará as políticas da entidade sobre o tema pode ser uma coisa boa, como forma de manter as normativas médicas atualizadas e coerentes com as descobertas científicas mais recentes.  Mas, de acordo com a matéria, todas as indicações são de que as mudanças estão indo na direção errada.  Ari Brown, presidente do grupo que investiga o uso da mídia da Academia Americana de Pediatria, explica: “Olhe para o nosso mundo. Ele mudou… e por isso temos de abordar o mundo como ele é e descobrir maneiras de fazer funcionar”.

Sem dúvida, os tempos mudaram desde a AAP emitiu originalmente as primeiras orientações em 1999, uma eternidade em termos de tecnologia. De acordo com uma pesquisa da Common Sense Media, 30% das crianças usam telas antes mesmo que elas sejam orientadas sobre isso e quase um quarto dos adolescentes está conectado quase o tempo todo. A tecnologia tornou-se um apêndice quase inseparável da maioria dos jovens. Brown destaca no texto que os limites originais “não representam a realidade do que está acontecendo e então nós realmente precisamos repensar o mundo onde essas crianças estão crescendo como nativos digitais”.

Tecnologia e seus efeitos sobre o desenvolvimento

“Admiro o desejo da AAP de alinhar  suas recomendações com a realidade atual. Mas a direção que a organização parece estar tomando é exatamente o oposto de onde ela deveria estar indo, dado o crescente corpo de pesquisas que demonstra os efeitos cada vez mais prejudiciais (juntamente com alguns benefícios) do ‘tempo de tela’ sobre o desenvolvimento cognitivo, emocional, social e educacional das crianças”, afirma o pediatra e homeopata Moises Chencinski (CRM-SP 36.349).

Na matéria mencionada, Brown recomenda como os pais devem usar a tecnologia com seus filhos: “Assim como você se senta, no mundo real, e brinca com o seu filho, você deve aplicar as mesmas regras no mundo virtual. Você não deve abandonar o seu filho na frente de uma tela e fazê-lo brincar por si mesmo. Se você se sentar e brincar com ele na frente da tela, poderão obter mais fora dela”.

“Aqui está o problema. Os pais não devem abandonar seus filhos na frente de uma tela, porque eles devem se envolver com eles para promover o desenvolvimento saudável. Mas, uma das razões para os pais colocarem seus filhos na frente de uma tela é porque é conveniente; ela libera os pais para se concentrarem em suas próprias necessidades. Não há mal nenhum em fazer isso de vez em quando. Os pais precisam de tempo para tomar banho, ler o jornal e se conectarem com os próprios amigos. Mas esta prática parece ser a regra, não a exceção, em muitas famílias, nos dias de hoje”, diz o médico.

Diretriz não pode ser alterada em função da prática social

O aumento do “tempo de tela” para crianças que a AAP está considerando, em face do fato de que as crianças nos dias de hoje já estão usando de maneira não equilibrada a tecnologia, é um contrassenso. Atestando isso, a Kaiser Family Foundation relatou que as crianças gastam, em média, mais de 7 ½ horas por dia em frente a telas não relacionados com a escola. Parece então bastante claro que as crianças precisam de limites em relação ao “tempo de tela”.

“Supor que as diretrizes precisam ser alteradas porque elas não estão em sintonia com o uso atual da tecnologia é semelhante a aumentar o que é considerado uma boa quantidade de açúcar porque as crianças estão consumindo mais açúcar hoje do que em gerações anteriores. Os tempos mudam, o que é saudável para as crianças não”, defende o médico, que também é membro do Departamento de Pediatria Ambulatorial e Cuidados Primários da Sociedade de Pediatria de São Paulo.

“Eu não sou nenhum ludita. Não há dúvida de que a tecnologia pode desempenhar um papel positivo na vida das crianças. Mas é claro, para qualquer um que observa as crianças nos dias de hoje, que a última coisa que elas e seus pais precisam é de permissão para usar a tecnologia mais do que estão usando. Além disso, outra mensagem que veio através da matéria foi que não há problema em empregar horas e horas do seu dia com a tecnologia, desde que as atividades sejam educativas e sociais. Na maioria das vezes, as crianças passam horas e horas e horas e horas na frente das telas sem realizar nenhuma atividade educacional ou social”, diz Moises Chencinski.

Brown ainda afirma que, “nenhum pai deve se sentir culpado sobre suas escolhas, nós só queremos que façam escolhas informadas e conscientes”. “Neste ponto, concordo com ele, por isso, busco orientar os pais da melhor forma possível. A AAP não deve relaxar ou alterar suas diretrizes, porque elas fazem os pais se sentirem responsáveis por seus filhos na frente de uma tela. Orientar e informar os pais são papéis vitais da AAP,  para que sejam feitas escolhas saudáveis”, defende o pediatra.

Para Chencinski, a AAP não deveria alterar as orientações, pois a maioria dos pais não seguirá prazos razoáveis; “a maioria dos pais ainda deixa seus filhos comer quilos (toneladas) de junk food, apesar de saberem todos os males de tal permissão. A AAP deveria ficar calcada no princípio do que é melhor para as crianças, mesmo que o princípio não esteja em plena sintonia com a modernidade. A entidade deveria ouvir os cientistas, os estudiosos do cérebro, não o clamor das práticas populares, porque, se a organização ceder nesse ponto, pode colocar sua reputação em cheque e não ter mais a capacidade de moldar positivamente como as crianças deveriam ser criadas”, afirma o médico.

Mãe de Aécio e esposa de Renato, publicitária, especialista em Criação Visual e Multimídia, trabalha com marketing e comunicação e, além do Mãe do Ano, é responsável pelo Roteiro Baby JP, que divulga a programação infantil de João Pessoa, é presidente da Associação das Mulheres empreendedoras da Paraíba, tem uma banda de músicas infantis – a Catavento Colorido – e desenvolve atividades para crianças através da Colmeia Projetos Criativos.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Comment *